Meu Deus eu Creio, Adoro, Espero e Amo-Vos. Peço-Vos perdão para todos aqueles que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam.

Translate

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Translate Formação Católica

07 abril 2016

PAPA FRANCISCO DÁ UM PASSO EM DIREÇÃO AOS LEFEBVRISTAS



Papa Francisco deu um passo em direção aos lefebvristas: As discussões estão em andamento para o reconhecimento da Fraternidade São Pio X. Um processo que “vai levar tempo”. [Jean-Marie Guénois - Le Figaro] 

RELIGIÃO – O Papa Francisco, contra todas as probabilidades, estende atualmente a mão aos discípulos de Dom Marcel Lefebvre. Poucos dias antes do 25º aniversário da morte deste bispo, que se opôs a algumas orientações do Concílio Vaticano II, ordenando quatro bispos contra a opinião de Roma em 1988 e que fundou em Ecône (Suíça) em 1970, a Fraternidade Sacerdotal São Pio X (FSSPX), seu atual superior geral, Dom Bernard Fellay, acaba de confirmar no site desta instituição, dici.org, que o diálogo tem de fato sido retomado discretamente com o Vaticano desde julho de 2015.

Mas ao contrário de alguns rumores anunciando um reconhecimento iminente, este responsável disse que o processo de discussão experimenta, certamente, um “grande progresso” em certos pontos, mas é “lento” e “vai levar tempo”, porque continua a haver uma “desconfiança” mútua.

Esta Fraternidade internacional tem hoje com 600 padres, dos quais 250 franceses, e 200 seminaristas, dos quais 60 franceses.Este dossier foi uma prioridade do pontificado de Bento XVI, mas tinha se concluído em fracasso. Este papa havia, é verdade, levantado em janeiro de 2009, as excomunhões que atingiam os quatro bispos ordenados por Dom Lefebvre. Ele tinha restabelecido, em julho de 2007, a título “extraordinário”, a liturgia da Missa segundo o missal em uso antes do Concílio Vaticano II (1962-1965), dois pedidos preliminares solicitados pela Fraternidade São Pio X.


Mas o ciclo de discussões doutrinárias, iniciadas pelo teólogo Bento XVI para chegar a um acordo sobre a doutrina, e em particular sobre o Concílio Vaticano II, foi um fiasco.Portanto, é sob outro ângulo que o Papa Francisco aborda a questão. Ele conhece bem, desde a Argentina, as obras deste movimento religioso. Ele também recentemente enviou várias visitas aos centros da Fraternidade para avaliar melhor seus frutos pastorais. Por isso, é como pastor que ele avança.

Neste espírito, a Congregação para a Doutrina da Fé, responsável por este processo no Vaticano, portanto, formulou a proposta em julho de 2015 – já expressa sob Bento XVI – de atribuir, no modelo do Opus Dei, um estatuto de “prelazia pessoal” a esta Fraternidade.Mas a divina surpresa, constatada pelos lefebvristas, é que elementos-chave, exigidos na época por Bento XVI para um reconhecimento canônico, desapareceram da nova proposta romana! Um dos bispos da Fraternidade, um argentino, Dom Alfonso de Galarreta, explicou durante a sua visita à França em janeiro último:

“Não há mais a profissão de fé do cardeal Ratzinger”, mas “a profissão de fé do Concílio de Trento”, a qual é reconhecida por Ecône. Dois parágrafos – impossíveis de serem aceitos pela FSSPX – sobre o “ecumenismo” e a “liberdade religiosa”, também foram removidos. Na liturgia, finalmente, é apenas solicitado “reconhecer a validade dos novos sacramentos, da Missa Nova, de acordo com a edição típica, a edição original em latim, o que a Fraternidade sempre reconheceu.”
                                                                                                                  Dom Alfonso de Galarreta


Dom Alfonso de Galarreta


Dom Fellay pode portanto concluir: “É muito claro que o Papa Francisco quer deixem-nos viver e sobreviver. Ele mesmo disse que ele nunca iria prejudicar a Fraternidade. Ele se recusou a nos condenar por cisma, dizendo que “eles não são cismáticos, eles são católicos.”

Mas o superior, que não evita notar os “paradoxos” deste papa, também adverte que esta decisão, que ele está submetendo no momento a seus sacerdotes, não pode sofrer qualquer “ambiguidade”, que seria fonte de “caos logo em seguida”. Ele acrescenta como uma “condição sine qua non“, a “liberdade” de ação para que “nós sejamos aceitos como somos.”

Fonte: http://tradinews.blogspot.com.br/2016/04/marie-malzac-la-croix-le-pape-francois.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário