Meu Deus eu Creio, Adoro, Espero e Amo-Vos. Peço-Vos perdão para todos aqueles que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam.

Translate

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Translate Formação Católica

14 dezembro 2015

NOVUS ORDO MISSAE II - COMENTÁRIO ELEISON - 437

Comentários Eleison - por Dom Williamson

CDXXXVII (437) - (28 de novembro de 2015):

NOVUS ORDO MISSAE – II

The eucharistic miracles are where
God shows that He Himself is truly there.

Fatos são teimosos – desde que sejam fatos. Se os leitores duvidam que o milagre eucarístico de 1996, em Buenos Aires, seja um fato, que façam sua própria pesquisa: http://youtu.be/3gPA6D43fTI pode servir como um ponto de partida. Mas se suas pesquisas sobre o caso não os convencem, que vejam o caso paralelo de Sokólka, na Polônia, onde todo um centro de peregrinação surgiu ao redor do milagre eucarístico de 2008 [jloughnan.tripod.com/sokolka.htm]. E um pouco mais de pesquisa na internet os levariam certamente a descobrir relatos de mais milagres no Novus Ordo, ao menos alguns autênticos.

Mas como isso é possível? Católicos tradicionais absorvem com o leite materno que o novo rito da Missa (NOM) é uma abominação aos olhos de Deus e que ajudou um incontável número de católicos a perderem a fé. Isto porque o NOM, como o Vaticano II que o seguiu, é ambíguo, favorece heresias e conduziu para fora da Igreja inumeráveis almas, tornadas virtualmente protestantes por causa da participação regular num rito protestantizado. A maioria dos católicos tradicionais deve estar familiarizada com os sérios problemas doutrinais deste novo rito, concebido para diminuir as doutrinas católicas essenciais sobre a Real Presença, o Sacrifício propiciatório e sacerdócio sacrifical, entre outros problemas. Então, como Deus pode fazer milagres eucarísticos por meio deste rito, e ter feito de Sokólka um centro nacional de peregrinação para toda a Polônia?

Doutrinalmente, o NOM é ambíguo, posto entre a religião de Deus e a religião conciliar do homem. Nesse sentido, em questão de fé, a ambiguidade é mortal, sendo normalmente concebida para enfraquecer a fé, o que o NOM frequentemente faz. Mas, estando a ambiguidade aberta exatamente a duas interpretações, o NOM não exclui absolutamente a antiga religião. Num padre devoto, sua ambiguidade pode ser toda voltada à velha direção. Isto não faz que o NOM seja aceito como tal, porque sua ambiguidade intrínseca ainda favorece a nova direção, mas isto realmente significa, por exemplo, que a consagração pode ainda ser válida, algo que Monsenhor Lefebvre nunca negou. Mais ainda, se os milagres eucarísticos são genuínos, claramente nem todas as consagrações de bispos e as ordenações de padres do Novus Ordo são inválidas também. Em resumo, o NOM como tal é mau com um todo, mau em partes, mas não mau em todas as suas partes.

Agora, imaginemos, com o máximo respeito, a atitude de Deus Todo-Poderoso diante do novo rito da Missa. Por um lado, Deus ama sua Igreja como a menina de Seus olhos e a preservará até o fim do mundo (Mt. XVI, 18). Por outro lado, Ele escolheu confiar seu governo a clérigos humanos e falíveis, os quais guiará, mas a cujo livre-arbítrio Ele evidentemente concede carta branca, num nível extraordinário, para que ele governe bem ou mal a Igreja, começando pela traição a Seu próprio Filho. Agora, nos tempos modernos, a Revolução, seja ela judia, maçônica, comunista ou globalista, encontra seu principal adversário em Sua Igreja, e ela tem trabalhado especialmente sobre seus líderes para colapsá-la. Seu mais terrível sucesso foi o Vaticano II e seu NOM, que foram certamente muito mais culpa dos pastores que das ovelhas. “O fruto foi traído até mesmo pelos que deveriam tê-lo defendido”, disse São João Fisher em um momento paralelo na Contra-Reforma. Então, como Deus olhará para Suas ovelhas, muitas das quais – não todas – são relativamente inocentes em relação à traição conciliar?

Depois do Vaticano II, alguns padres e leigos tiveram a graça de ver imediatamente o que era uma traição, e em poucos anos o movimento tradicional estava a caminho. Para outras ovelhas, Deus deu a graça de enxergarem a traição depois. Mas não podemos todos admitir que há muitos bons católicos que confiaram em seus bispos, algo que os bons católicos normalmente devem fazer? E não insistiram estes bispos na mentira que era o NOM, como se ele não fosse diferente da verdadeira Missa? O que especificou o Vaticano II e o NOM foi exatamente a oficialização da heresia modernista dentro da Igreja. Deste modo, não faz sentido que, no que diz respeito à punição do mundanismo moderno, estas ovelhas tenham perdido amplamente o verdadeiro rito da Missa, mas, em relação à recompensa a seu desejo pela Missa, não tenham perdido uma Missa válida? Mas o futuro da Igreja depende das almas que compreendem a Revolução e repudiam completamente todas as ambiguidades do Vaticano II e do NOM.

Kyrie Eleison.

Tradução por Leticia Fantin Vescovi

Nenhum comentário:

Postar um comentário