Meu Deus eu Creio, Adoro, Espero e Amo-Vos. Peço-Vos perdão para todos aqueles que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam.

Translate

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Translate Formação Católica

06 setembro 2015

EQUILÍBRIO CATÓLICO - COMENTÁRIO ELEISON - 154




EQUILÍBRIO CATÓLICO
ELEISON COMMENTS CLIV (26 de Junho de 2010)


Quando o “Eleison Comments” de semana passada, no começo aparentemente simpatizava com os “sedevacantistas”, que acreditam que os papas posteriores a João XXIII não são realmente Papas, e ao fim aparentemente simpatizava com o cardeal Kasper por zombar da falta de Autoridade da Fraternidade de São Pio X, creio que ao menos uma leitora ficou confusa, e suspeito que ela não esteja sozinha. Mas tudo faz sentido, quando partimos da premissa que o Vaticano II produziu uma ruptura entre a Verdade Católica e a Autoridade Católica.

Na realidade, a Autoridade Católica do clero deve estar firmemente atada à Verdade Católica de Nosso Senhor, pois a autoridade humana só existe para proteger e ensinar a Verdade divina. Entretanto, naquele terrível Concílio (1962-1965), séculos de heresia protestante e dissolução liberal da verdade haviam asquerosamente se impregnado nos corações e nas mentes da grande maioria dos padres conciliares, ao ponto de eles abandonaram a pureza da Verdade Católica, e usarem, até hoje, toda  a sua Autoridade Católica para impor aos católicos a nova e falsa religião do homem inventada pelo Concílio.

Em consequência os católicos têm sido despedaçados, coletiva e individualmente, como era inevitável. Em efeito, das duas coisas uma. Ou os católicos agarraram-se à Verdade Católica, e de certo modo abandonaram a Autoridade Católica, que é a solução dos “sedevacantistas”. E quando se olha primeiramente para a Verdade Católica, pode-se bem simpatizar com eles, tão horrível foi a traição da Verdade pelos mais altos clérigos, desde o início do Concílio. Ou os católicos optaram por aderir à Autoridade Católica, e de certo modo abandonar a Verdade Católica, que é a solução do Cardeal Kasper. E quando se olha primeiramente para a Autoridade Católica, pode-se bem simpatizar com sua lealdade a Bento XVI, e compreender o sorriso do cardeal diante da acusação de não ser católico pela totalmente desautorizada e ainda virtualmente excomungada Fraternidade de São Pio X.

Contudo, Dom Lefebvre escolheu um terceiro caminho, no qual o segue a FSSPX, entre os dois extremos de Verdade ou Autoridade. Sua solução foi agarrar-se à Verdade Católica, mas sem nenhum desrespeito à autoridade da Igreja, nem qualquer descrença no status de seus prelados. Certamente não é um equilíbrio sempre fácil de manter, mas tem dado seus frutos Católicos em todo o mundo, e tem sustentado um remanescente fiel de católicos com a verdadeira doutrina e os verdadeiros sacramentos durante os 40 anos que temos passado no deserto Conciliar (1970-2010).

E nós, ovelhas católicas, talvez fiquemos dispersas ainda por um tempo nesse deserto, enquanto o Pastor em Roma está ferido (Zac.XIII, 7, citado por Nosso Senhor no Jardim do Getsêmani, Mt.XXVI, 31). Neste Getsêmani da Igreja, nós realmente precisamos nos apiedar de nossas ovelhas companheiras. É por isso que eu posso simpatizar com os “sedevacantistas” e mesmo com os liberais (até certo ponto!). Mas isso não quer dizer que o terceiro caminho de Dom Lefebvre tenha deixado de ser o caminho correto.

Que a Augusta Mãe de Deus proteja por longo tempo a pequenina Fraternidade!

Kyrie eleison.

Nenhum comentário:

Postar um comentário