Meu Deus eu Creio, Adoro, Espero e Amo-Vos. Peço-Vos perdão para todos aqueles que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam.

Translate

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Translate Formação Católica

23 junho 2015

SERVO BOM E FIEL



Nas ensolaradas e cálidas terras do Oriente, vivia um rico mercador chamado Samuel. Estava sempre bem vestido com longa túnica dourada, cingida por uma larga faixa azul clara, e portando um turbante vermelho, ornado por uma ametista.

Tinha a face tostada pelos raios solares e seu grosso bigode ia diminuindo de espessura até formar duas finas pontas voltadas para cima.

Era muito esperto e inteligente. Os habitantes da região o conheciam bem, mas, com sua aparência de homem respeitável e sua grande rapidez de raciocínio, ludibriava os viajantes pouco informados, levando-os a pagar um preço excessivo pelas suas mercadorias – tapetes, perfumes, porcelanas e tecidos – e a ficar com a certeza de ter feito uma excelente aquisição. Desta forma, seus negócios rendiam-lhe altos lucros, e ele tornou-se um dos homens mais ricos do lugar.

Exitoso e abastado, Samuel tinha uma total confiança em si mesmo e, apesar de ser cristão, nunca rezava nem frequentava os Sacramentos. Sua mãe, Dona Clementina, pelo contrário era muito religiosa e insistia com ele:

– Meu filho… é preciso cumprir os Mandamentos, rezar, ir à Missa aos domingos!

Samuel costumava responder-lhe:

– Sabe, mãe, tudo está nas mãos de Deus. Portanto, se Ele quiser me levar para o Céu, levará sem que eu precise ir à igreja, receber os Sacramentos ou rezar. E se Ele não quiser, não adianta rezar, porque não me salvarei, ainda que pratique muitos atos de piedade.

A boa senhora lhe explicava:

– Não é assim, meu filho. Já dizia Santo Agostinho: “Deus que te criou sem ti, não te salvará sem ti”! Tudo está nas mãos de Deus, é verdade, mas assim como Ele nos amou, dando-nos a existência, quer nossa retribuição e participação para salvar nossa alma.

Ora, mãe, Ele fará tudo segundo a vontade d’Ele mesmo… Disso ninguém escapa.

Com muita frequência tal diálogo se repetia. E aquela boa mãe não podia fazer outra coisa senão rezar pelo filho.

José, o empregado da casa, era muito piedoso e dedicado aos patrões. Pessoa simples, mas perspicaz, observava em silêncio as pequenas discussões da mãe com o filho e pensava que deveria haver alguma resposta para dar ao patrão. Concordava com sua afirmação de que tudo está nas mãos de Deus, mas não podia aceitar que as orações, os Sacramentos e os atos de piedade fossem coisas inúteis. Não podia ser em vão que Nosso Senhor nos ensinou a suplicar o auxílio divino, pois Ele mesmo disse: “Pedi e recebereis; buscai e achareis; batei e a porta vos será aberta. Pois todo aquele que pede, recebe; quem procura, acha; e a quem bate, se abrirá” (Lc 11, 9-10).

E José dizia de si para consigo:

– Vou pedir ao Divino Espírito Santo que me ilumine e, algum dia, encontrarei um meio para desmontar este pensamento errado de meu patrão, que só serve para justificar seu relaxamento.

Não tardou muito para chegar a esperada oportunidade!…

Numa manhã, Samuel despertou sentindo-se muito doente. Doía-lhe a cabeça, e nem tinha forças para sair da cama. Preocupado, chamou o servo e lhe disse:

– José, amanheci sentindo-me muito mal. Nem consigo levantar-me. Por favor, procure o Dr. Adeodato e diga-lhe para vir bem depressa.

O bom homem saiu do quarto do patrão e pôs-se a rezar. Havia encontrado a oportunidade que tanto esperava! Mas aguardaria até o entardecer…

Aquele dia passou muito lentamente para Samuel. Seu mal-estar não diminuía. Entre dormitar e sentir dor, ficou muitas horas esperando a visita do médico, que parecia nunca chegar!

Quando a tarde já terminava, chamou de novo o empregado e perguntou-lhe:

– José, que aconteceu? Por que não apareceu aqui o médico?

Com simplicidade, José lhe respondeu:

– Meu bom patrão, o senhor sempre repete que tudo está nas mãos de Deus e nada depende de nós. Então eu pensei assim: se Deus quiser que o patrão sare, com médico ou sem médico ele vai sarar. Mas se Deus não quiser, então nem adianta médico, porque ele vai morrer de qualquer forma… Por isso não chamei o Dr. Adeodato.

Samuel ficou vermelho de raiva, porque o criado não cumprira sua ordem… ou talvez de vergonha, ao ouvir as palavras cheias de bom senso daquele homem. E José ainda continuou:

– Aprendi com o senhor este raciocínio. Se, como o senhor sempre diz, ele é certo para a saúde da alma, deve ser também para a do corpo…

Samuel, neste momento, foi tocado pela graça e se deu conta de quantas vezes usou sua capacidade de fazer bons raciocínios para justificar seus próprios erros. E ante a resposta cheia de sabedoria daquele servo bom e fiel, o rico mercador não podia tomar outra atitude senão reconhecer:

– Você tem razão! Como estou errado por pensar assim! Por favor, chame o médico para cuidar da saúde de meu corpo e prometo, de agora em diante, cuidar mais de minha alma!

Prontamente José chamou o doutor e este não tardou em chegar. Samuel tomou os remédios indicados e logo começou a melhorar.

No domingo seguinte, Dona Clementina teve a surpresa de ver que o filho a acompanharia à Missa. E mais espantada ficou ao vê-lo buscar a fila do confessionário e, depois, participar do Sagrado Banquete da Eucaristia.

Samuel nunca mais abandonou a vida de piedade. Passou a vender suas mercadorias a um preço justo e a dedicar boa parte dos lucros a obras de caridade, o que lhe fez ganhar o afeto e o respeito dos seus conterrâneos. E manifestou sempre gratidão a José, por este ter sido – com suas orações, esperteza e paciência – o instrumento de Deus para a sua conversão.

Irmã Lucía Ordoñez Cebola, EP

Nenhum comentário:

Postar um comentário