Meu Deus eu Creio, Adoro, Espero e Amo-Vos. Peço-Vos perdão para todos aqueles que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam.

Translate

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Translate Formação Católica

26 março 2018

QUEM PODERÁ ODIAR O PECADO SE O AMOU ATÉ A HORA DE SUA MORTE


QUEM PODERÁ ODIAR VERDADEIRAMENTE O PECADO SE O AMOU ATÉ A HORA DE SUA MORTE - SANTO AFONSO MARIA DE LIGÓRIO.

Santo Afonso de Ligório: Ao pecador à hora da morte lhe afligirão as dores de consciência

Um dia, vendo Jesus de longe a cidade de Jerusalém, a cidade onde os judeus haveriam de tirar sua vida, derramou lágrimas sobre ela: Videns civitatem, flevit super illam. Ele considerou  a punição esperada e previu: Circumdabunt te inimice tui vallo.

Cidade infeliz! Há de ver um dia cercada por inimigos que te devastarão e não vão deixar pedra sobre pedra de todas essas torres arrogantes que te defendem, e dos magníficos edifícios que servem de ornamento. Figurada está nessa cidade infeliz, a alma do pecador, que no momento da morte será cercada por inimigos de todos os tipos.

Estes inimigos são:

• As dores de consciência.
• Os demônios que assaltam.
• Os temores de morte eterna.

Ponto 1
Ao pecador à hora da morte lhe afligirão as dores de consciência.

Os pecadores infelizes que vivem no pecado morrerão de morte violenta, como disse Jó (XXXVI, 14): Morietur in tempestate anima eorum. Com ela lhes ameaçou Deus de antemão por Jeremias com estas palavras: Tempestas erumpens super  caput impiorum: A Tempestade, rompendo a nuvem, cairá sobre a cabeça dos ímpios. (Jer. XXIII, 19).

No início da doença,  não se aflige nem teme muito o pecador, porque, em seguida, parentes, amigos e médicos, todos dizem, por unanimidade, que não será nada, e com tais declarações o enfermo se lisonjeia e espera. Mas quando a doença se torna grave, e começa a manifestar sintomas malignos anunciando que a morte está chegando,  é quando começa a tribulação que ameaça  Deus os pecadores: Cum interitus quasi tempestas ingruerit: A morte vai cair em cima como tribulação. (Prov. I, 27).
Esta tribulação é formada contra o doente, tanto das dores da doença, como do medo de partir deste mundo e deixar todos, mas especialmente o remorso de consciência que trará à memória sua má vida passada: Venient in cogitatione peccatorum suorum timidi, et traducent illos ex adverso iniquitates ipsorum. (Sab. IV, 20). Em seguida, irão se apresentar à sua consciência, todos os pecados que cometeu durante sua vida e ficarão surpreso ao contemplar.

Seus pecados se levantarão contra ele para acusá-lo, e irá convencê-lo que merecia o inferno.

Os pacientes que estão em tal estado deplorável, se confessam; mas, como disse Santo Agostinho (Serm 37 Temp ..): A penitência  feita pelo enfermo é enferma: Penitentia, quœ infirmo petitur, infirma est. E São Jerônimo escreve que de cem mil pecadores que vivem em pecado até a hora da morte, apenas um se salvará. São Vicente Ferrer acrescentou: é maior milagre a salvação de um daqueles pecadores que ressuscitar os mortos. Eles sabem o quão mal agiu o infeliz; Eles querem odiar seus pecados, mas eles não podem.
Antíoco veio a conhecer a maldade dos seus pecados, quando disse: “Agora eu tenho que lembrar os males que causei em Jerusalém” (1 Macabeus VI. 12) Sim; lembrou-se dos pecados, mas não se atreveu a odiá-los, desesperado e deprimido morreu numa grande tristeza dizendo: Et Ecce pereo magna tristitia: ". Eis que eu morro numa profunda melancolia".

A mesma coisa aconteceu com Saul, no momento da morte, como São Fulgêncio ensina: conheceu seus pecados, temeu o castigo que merecia por eles, mas não os odiou. Ele não abominava os pecados que cometera, mas temia o castigo, não queria sofrer.

Oh, como é difícil  um pecador que viveu muitos anos em pecado se converta sinceramente na hora da morte, tendo a mente obscurecida e o coração endurecido! Tem um coração duro, disse , como uma pedra, e apertado como uma bigorna de ferreiro. Ou seja, o pecador, durante sua vida, em vez de suavizar-se nas graças e inspirações divinas, se endurece mais, como a bigorna se endurece para os golpes do martelo.

Então, esta dureza estará pior na hora da morte. E lemos em Eclesiástico, que o coração duro vai terminar mal no final de sua vida; e quem ama o perigo nele perecerá. De fato; tendo amado o pecado até a morte, amou ao mesmo tempo o perigo de sua condenação; e por isso, justamente, permitirá Deus que pereça no perigo que viveu até a morte.

Santo Agostinho diz: o pecador que deixa o pecado quando se vê abandonado dele, dificilmente o detestará na hora da morte; mas como  poderá odiar de coração o pecado amou até a hora da morte? Ele também deve amar o inimigo que até então odiava.

Oh, que montanhas serão estas tão difíceis de superar! É mais fácil de acontecer o que aconteceu com alguns cidadãos que tinha reservado muitos animais ferozes a fim de remover as correntes e soltar contra os inimigos; mais, em seguida que foram soltos, em vez de atacar os inimigos, eles devoraram os que o prederam. Quando o próprio pecador quer banir as iniqüidades dele, ele vai acabar em ruínas, ou com a complacência dos objetos que até então amou, ou com o desespero do perdão, ao contemplar a multidão de pecados. Garante o profeta, que  o homem injusto não terá final feliz.

São Bernardo diz, que o pecador no momento da morte será acorrentado com seus próprios pecados, e eles vão dizer:Opera tua sumus, non te deseremus. “Somos suas obras, e não queremos te deixar; te acompanharemos ao juízo, e depois vamos te fazer companhia eterna no Inferno. "

O pecador será afligido por demônios que lhe assaltam

João diz em Apocalipse (XII, 12), que o demônio no momento da morte vem com mais raiva e fúria do pecador a fim de aproveitar o pouco tempo que lhe cabe para que não deixe escapar aquela alma : Descendit diabolus ad vos habens iram magnam sciens quod modicum tempus habet. O Concílio de Trento diz que Jesus Cristo nos deixou o sacramento da extrema-unção como uma forte defesa contra as tentações que o demônio nos ataca no momento da morte, acrescentando que nunca o inimigo combate com tanta violência para nos fazer perder a confiança na misericórdia divina, como no fim da nossa vida. (Sess. 14 Cap. 9 em Doctr. De Sacr. Ex. UNCT.).

Oh quão terrível assaltos e ciladas do demônio no final da vida contra a alma dos pobres moribundos, mesmo aqueles que viveram de forma santa!

Na vida de Santo André Avelino se lê, que no momento da sua agonia travou um combate feroz contra o inferno que abalou todos os religiosos que estavam presentes, pois, viam que a agitação lhe  inchou o semblante e ficou todo negro; que o corpo tremia e em seus olhos corria um rio de lágrimas. Todos choraram com compaixão e ficaram chocados vendo o Santo morrer desta forma, mas, em seguida, se consolaram ao vê que presenteando-lhe uma imagem de Maria Santíssima, se recompôs inteiramente, e exalou alegre sua alma bendita.

Se acontece aos santos, o que não vai acontecer com os pecadores infelizes que viveram em pecado até a hora da morte? Então o demônio não vem a tentá-los de mil maneiras para perder-los eternamente sem que também chame seus companheiros para ajudá-lo.

Quando alguém vai morrer, sua casa se enche de demônios para seu dano total. Todos esses perseguidores lhe oprimirá por todos os lados durante as angústias de sua morte. Um deles irá dizer-lhe: Não temas, porque você não vai morrer desta doença.

Outros: Quantos anos você tem sido surdo à voz de Deus, e quer que o Senhor te salve agora? E outro: Mas, como você agora pode reparar essas fraudes e danos que você causou, aquelas reputações que manchastes?

Outros, finalmente acrescentam: Que esperança ainda tem? Você não consegue ver que as confissões que fizestes foram ruins, sem dor, sem finalidade de reconciliação? Como você poderá revalidar-las agora tendo um coração tão duro e obstinado? Não sabe que você já está condenado? E entre essas ansiedades e ataques, o pobre moribundo ficará confuso e desesperado e vai passar a eternidade cheia de sofrimentos. Turbabuntur populi et pertransibunt (Jó. XXXIX, 20).

Para fazer uma longa e difícil viagem deve se preparar com antecedência para todas aquelas coisas que podem ser úteis ou necessárias. A viagem para a eternidade, devemos fazer entre inimigos duros e difíceis, tais como demônios, que não deverão deixar de lutar contra nós até nosso último suspiro, nos são necessárias as boas obras como a água para os que viajam pelas areias áridas da Líbia.

O que será, portanto, dos pecadores nesta última jornada para a eternidade quando se verem sem ter feito boas obras, e rodeado por todos os lados de inimigos que só pensam em precipita-lo no abismo do inferno?

Afligem-lhes os tormentos da morte eterna

Ai daquele doente, que cai na última doença, estando em pecado mortal! "Aquele que vive em pecado até a morte, morrereis no vosso pecado." In pecatto vestro morieminic. (João VIII, 21).

É verdade que a qualquer momento um pecador é convertido, Deus promete perdoar; mas a nenhum pecador ele prometeu que ele permitirá que se converta na hora da morte. Isaías nos diz, para buscar o Senhor enquanto podemos encontrá-los. De onde se conclui que, haverá um tempo para alguns pecadores  que buscarão a Deus e não poderão encontrá-lo (João VII., 34).

Se confessarão os desventurados à hora da morte, prometerão, chorarão, buscarão a misericórdia de Deus, mas sem saber o que fazem. Para esses, lhes acontece  mesmo que aconteceria a um que se vê sob os pés de seu inimigo e que ele tenha colocado a faca na garganta para matar: o  infeliz choraria, pediria perdão,  prometeria servir como um escravo por toda a sua vida; Mas por acaso daria-se crédito ao inimigo?

Não; antes creria que essas palavras foram fingidas para escapar de suas mãos e, em seguida, se você perdoar, ele odiaria ainda mais do que antes. Da mesma forma, Deus vendo que todo arrependimento e promessas do pecador moribundo não saem do coração, mas, são fruto do medo da condenação eterna que parece tão perto, não concede o perdão; porque o temor que não está acompanhado pelo amor de Deus não pode justificar o pecador, como diz o Evangelho: Qui non diligit menent in morte.

O padre que ajuda os moribundos, faz a recomendação da alma, e implora ao Senhor, dizendo: Reconhece, ó Senhor! esta sua criatura. Mas Deus responde:
“Eu sei que é minha criatura; mas ele não honrou-me como seu Criador, ele me tratou como um inimigo. Ainda assim, segue suplicando o sacerdote dizendo: Não os acordeis de suas antigas iniquidades. E Deus diz: Eu perdoaria os seus pecados cometidos no passado em sua juventude; mas ele continuou desprezando-me até a hora da morte.”

“Me voltaram a espada e não o rosto, e agora, no tempo da sua calamidade querem que os livre do castigo? Que chame os seus deuses, isto é, aquelas criaturas, riquezas, aqueles amigos que amaram mais do que a mim: pedi-lhes para vir agora para livrá-los do inferno que os espera. A mim somente tenho que castigar as ofensas que eles me fizeram. Eles rejeitaram os minhas ameaças feitas aos pecadores obstinados e não deram atenção a nenhuma delas. Então, meu dever é o de punir os crimes que cometeram. É tempo da minha vingança, e é justo que se execute.”

Concluindo esta discussão. Diga-me, se alguém em pecado contraísse uma doença que lhe fizesse perder a consciência, que compaixão não causaria ver-lhe morrer tão tristemente sem sacramentos e sem nenhum sinal de arrependimento? E  não é louco aquele que tendo tempo  para se reconciliar com Deus, continua em pecado, ou se volta para o pecado, colocando-se em perigo de morrer de repente? O Senhor nos diz que o Filho de Deus virá para julgar na hora em que menos pensamos. Uma morte inesperada pode acontecer a qualquer um de nós, como aconteceu com tantos outros homens.

E deve ser lembrado que todas as mortes de homens de má vida são inesperadas, embora tenha uma doença por algum período de tempo; porque os dias da doença, são dias de escuridão, dias de confusão, nos quais é difícil, e até mesmo moralmente impossível, ajustar uma consciência manchada com uma longa série de vícios e pecados. Diga-me meus irmãos; se estivesse agora em perigo iminente de morrer, desenganado pelos médicos, lutando contra as agonias da morte, com quanta ansiedade  gostaria que tivesse um mês inteiro, ou uma semana para ajustar suas contas com Deus? Deus concede, por conseguinte, desta vez, o chama, e os faz saber do perigo que estais de condenar-se.

Ocupe-se, portanto, do negócio de sua salvação. O que você espera? Que Deus o envie para o inferno? Vós viveis bem, enquanto tiver tempo, enquanto  viver na terra, porque se for surpreso com a escuridão da morte nada poderá fazer  para garantir a sua salvação. Amanhã vou me emendar, diz o pecador enfurecido.

E quem garante que você chegará ao amanhã? Isso  significa que  você ama mais o vício do que a Deus e despreza a inspiração divina que o Senhor envia para separar-te da borda do abismo em que você se encontra. Saiba, então, que quando  quiser desviar-te d’Ele o Senhor te abandonará da mesma forma que você o desprezou; porque está escrito que aquele que ama o perigo nele perecerá. Ouça então cristãos! Da hoje a espada ao pecado não amanhã; Volte-se para Jesus Cristo que vos chama para o seu rebanho com assobios amorosos, e vos espera de braços abertos para abraçá-lo.

Assim fazê-lo através das entranhas de Jesus Cristo, e em seu nome eu lhe asseguro que este Pai amoroso dos pecadores, perdoará os seus pecados e dar-lhes-á a vida eterna.

SERMÓN PARA LA DOMINICA NONA DESPUÉS DE PENTECOSTÉS - SAN ALFONSO MARÍA DE LIGORIO

Nenhum comentário:

Postar um comentário