Meu Deus eu Creio, Adoro, Espero e Amo-Vos. Peço-Vos perdão para todos aqueles que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam.

Translate

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Translate Formação Católica

07 setembro 2015

HYBRIS INCRÍVEL - COMENTÁRIO ELEISON - 188



HYBRIS INCRÍVEL
ELEISON COMMENTS CLXXXVII (12 de fevereiro de 2011)


Os profetas da catástrofe não se tornam muito populares, mas se são ministros de Deus, eles devem dizer a verdade. Hoje em dia, algumas pessoas pensam que esses ministros não deveriam se preocupar com política ou economia. Mas, que fazer se a política se transformou numa religião substituta, necessariamente uma religião falsa, ao pôr o homem no lugar de Deus? Ou se a economia (ou as finanças) está a ponto de causar fome a muitas pessoas? Ou é o caso de que os ministros de Deus não podem perguntar, como Aristóteles, como o povo poderá ter uma vida virtuosa, se não tem sequer satisfeitas suas necessidades básicas? Não seria então importante para os ministros de Deus que o povo tenha uma vida virtuosa?

Portanto, não me desculpo por citar um parágrafo extraordinário de um repórter do famoso Wall Street Jornal, quando relata como, no verão de 2006, um assessor executivo do então presidente Bush o repreendeu por escrever um artigo criticando uma antiga diretora de comunicações da Casa Branca. Disse que naquele momento ele não compreendia por completo o que o assessor lhe disse, mas tempos depois se deu conta que fora diretamente ao coração da presidência de Bush. A seguir as palavras do assessor, como as disse ao repórter: –

Pessoas como o reporter, disse o assessor, formam parte “do que chamamos comunidade baseada na realidade, quer dizer pessoas que crêem, como você, que as soluções emergem do estudo judicioso da realidade tal como se apresenta”. O repórter deveria esquecer os velhos princípios que governam a realidade. “Já não é dessa maneira que funciona o mundo. Agora somos um império e, quando agimos, criamos nossa própria realidade – com tanto juízo quanto se queira – e então agimos de novo, criando outras novas realidades, as quais você pode estudar também, e é assim que as coisas vão se resolver. Somos atores da história… e vocês, todos vocês, não terão mais que estudar o que nós fazemos”. (veja http://www.321gold.com, 2 fev., “Nós Somos Vítimas de um Golpe de Estado Financeiro”, por Catherine Fitts).

Aqui não sou eu que estou pregando sermões sobre como o mundo moderno funciona à base de fantasia. Esta é uma pessoa com um cargo muito elevado, e acesso à informação privilegiada do interior de Washington, orgulhando-se positivamente de como o mundo moderno funciona à base de fantasia. Suas palavras não corresponderiam exatamente as fabricações, por exemplo, do 11 de Setembro e das “armas de destruição em massa” de Saddam Hussein, “criadas” para justificar políticas que, de outras formas, seriam injustificáveis? A arrogância mostrada por tal desprezo pela realidade, e pelas pessoas que prezam tal realidade, é de deixar qualquer um pasmado.        

Os gregos da era clássica eram pagãos sem conhecimento do Deus revelado, mas tinham um entendimento muito claro daquela realidade que é a estrutura moral do universo governado, como eles o percebiam, pelos deuses. Qualquer homem, mesmo um herói, que desafiasse essa estrutura, como o assessor de Bush, era culpável de “híbris” [*], de elevar-se acima de sua própria condição humana, e seria castigado à altura pelos deuses.

Católicos, se pensais que a graça elimina a natureza, vocês têm de reaprender com os pagãos antigos essas lições da natureza que são mais do que nunca necessárias hoje em dia. Vejam Xerxes em Os Persas de Ésquilo, Creonte na Antígona de Sófocles, Penteu em As Bacantes de Eurípedes. Rezem o santo Rosário, mas também leiam os autores clássicos famosos, plantem batatas e paguem seus impostos, esse é o meu conselho!

Kyrie eleison.

[*] A desmesura, ou “Híbris”, pode ser entendida como o excesso de felicidade de um mortal, o orgulho dos reis, a arrogância dos heróis, etc. Esse é um aspecto fundamental do espírito helênico:

“Tudo que se eleva acima da sua condição, tanto no bem quanto no mal, expõe-se a represálias dos deuses. Tende, com efeito, a subverter a ordem do mundo, a pôr em perigo o equilíbrio universal e, por isso, tem de ser castigado, se pretende que o universo se mantenha como é”.

NEMESIS (mythology). In: WIKIPEDIA, The Free Encyclopedia. Flórida: Wikimedia Foundation, 2010. Disponível em: http://en.wikipedia.org/wiki/Nemesis_%28mythology%29. Acesso em: 24 fev. 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário