Meu Deus eu Creio, Adoro, Espero e Amo-Vos. Peço-Vos perdão para todos aqueles que não creem, não adoram, não esperam e não Vos amam.

Translate

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Translate Formação Católica

25 junho 2015

A CORRUPÇÃO DAS MODAS



A Corrupção das Modas

“E os olhos de ambos foram abertos: e quando eles perceberam que estavam nus, eles teceram folhas de figueira, e fizeram para si aventais … E o Senhor Deus fez roupas de peles para Adão e sua mulher, e os vestiu.” (Gênesis 3, 7,21)

Evidentemente, os “aventais” que Adão e Eva fizeram para si não forneciam cobertura suficiente aos olhos de Deus, então Ele fez roupas de peles e vestiu-los adequadamente. Você já se perguntou com o quê essas vestes de pele pareciam? Você pode apostar que elas não eram as reduzidas roupas “Tarzan e Jane” vistas nos filmes.

Nos versículos do Gênesis já referido, a Vulgata Latina usa a palavra tunicas. Mesmo para alguém que não seja versado em latim, eu acho que é óbvio que essa palavra significa “túnica” (1). A palavra hebraica usada é ktnvt, raiz do que significa “cobrir”.

A túnicas dos tempos bíblicos pré-Cristãos e da Roma Antiga eram roupas fluidas que se estendiam além do joelhos e cobriam os braços e os ombros. Eu me sinto bastante confiante de que, depois de todo esse caso constrangedor no Jardim com a Serpente, Adão e Eva certificaram-se de que seus filhos e netos todos estivessem vestidos com modéstia.


Adão e Eva viveram tempo suficiente para ver muitas gerações de seus filhos crescerem e terem seus próprios filhos. A Escritura nos diz que Adão morreu pouco antes de Noé nascer. Imagine a tristeza de Adão e Eva por ter que observar os seus filhos crescerem, sabendo que, por causa de seus pecados, seus filhos nunca experimentariam qualquer coisa como Adão e Eva tinham no Jardim do Éden. Até os dias de hoje, as crianças muitas vezes têm de sofrer por causa dos pecados e erros de seus pais.

Eu acho que outro resultado daquele incidente no Paraíso é que as mulheres têm um interesse excessivo na roupa. Sim, não podemos negá-lo! Eu fico imaginando as mulheres nos dias de Moisés fofocando sobre o que as outras mulheres estavam usando. Não só isso: basta considerar o quanto e com que freqüência a moda feminina sofre alterações em relação a dos homens. Mas isso não significa que os homens não têm os seus próprios passatempos frívolos. Olhe quantos homens ficaram excessivamente envolvidos em competição e esportes, às vezes com a exclusão de todo o resto. ESPN. Precisa dizer mais?

Eu acho que é por causa do interesse das mulheres em roupas que nós temos mesmo um registro para rastrear. Há historiadores que acompanharam essas coisas! Vamos dar uma olhada.

Desde a época de Adão e Eva, os homens e as mulheres do passado têm se vestido com dignidade. Em linha reta através da época de Noé, Abraão, Isaac, Jacó, Moisés e Rei David, todas as mulheres usavam”túnicas” longas, fluidas, graciosas, que cobriam seus ombros e, geralmente, seus braços e estendiam-se ao chão, e usavam algum tipo de véu para cobrir suas cabeças.

No início mulheres gregas pagãs usavam túnicas e vestidos longos, com suas cabeças cobertas com algum tipo de véu ou enfeite de cabelo. O vestido era chamado de chiton (o “ch” tem som de q). A roupa básica masculina também era o chiton, mas era geralmente apenas na altura do joelho. O chiton era feito de um retângulo de tecido preso nos ombros e na cintura. A roupa podia ser tanto com mangas curtas ou sem mangas. Ambos os estilos eram muito graciosos.

Em Roma, as mulheres usavam uma túnica sem mangas até o chão (os homens usavam uma túnica na altura do joelho), sobre as quais elas usavam um manto que ia até o chão, que era uma peça de roupa tipo túnica com mangas. Era usado com cinto na cintura, e em público o traje era finalizado com um véu elegante.

Estilos básicos do Ocidente cristão não mudaram muito ao longo dos séculos. Da historicamente aceita “Queda de Roma” em 476 dC. até o tempo das Cruzadas, as mulheres mais ricas usavam vestidos elegantes que atingiam o chão, com mangas longas e muitas vezes um véu, especialmente para as mulheres casadas. O casamento muitas vezes significava uma mudança de estilo de cabelo também: de solto e fluido para preso em algum tipo de coque. As mulheres, às vezes, usavam duas vestes tipo túnica, uma sobre a outra.

O véu era usado sobre uma touca, um pedaço de tecido branco que cobria a cabeça e o pescoço e às vezes até o queixo. Monjas de clausura ainda usam uma touca (como em fotos de Santa Teresa de Lisieux.) As Pobres Clarissas simplificaram sua touca no início do século 20 de modo que já não cobre o seu queixo.

O “cinturão”, que era um cinto ou faixa usada sobre a túnica, ficava graciosamente em volta da cintura ou nos quadris.

Não foi até o final de 1500 que a moda tornou-se mais ornamentada, embora a roupa básica tenha permanecido a mesma: vestidos longos, mangas compridas, com algum tipo de cobertura na cabeça. Pense em “Inglaterra elisabetana”, com o ruffle ao redor do pescoço e grandes mangas “perna-de-carneiro”, e você terá uma boa idéia do que elas estavam usando durante esse período de tempo. Lotes de bordado atraente e bela decoração também foram incluídos na roupa. Em vez de toucas, as mulheres usavam elegantes adornos de vários estilos na cabeça, às vezes com um véu conectado à parte traseira.

Por esta altura, o espartilho foi introduzido. Esta era uma roupa de baixo rígida que dava forma ao corpete e estreitava a cintura. O espartilho se tornaria um dos elementos clássicos do vestuário das mulheres. Em algumas épocas da moda, ele foi usado para atingir um tamanho de cintura muito pequeno.

A “revolução da moda” aconteceu por volta da época da Revolução Francesa (1789-1804) e Napoleão Bonaparte (1804-1815), com a esposa de Napoleão, Josephine, lançando uma tendência de vestidos de cintura alta com silhuetas retas de menino e linhas de busto achatadas. Este é também o visual “Jane Austen”, como visto em filmes como “Orgulho e Preconceito” e “Razão e Sensibilidade”: cintura alta, corpete baixo, saia reta longa, mangas curtas longas e estreitas ou mangas curtas bufantes ou uma combinação de ambas. Também notável na roupa das mulheres nesse período foram adornos mais masculinos e acessórios, como chapéus altos em vez de gorros, e laços militares em suas vestes. Esta “revolução da moda” não durou muito tempo, com a moda feminina logo retornando a seus estilos tradicionais.

No jovem Estados Unidos da América, neste momento, as cinturas eram geralmente na cintura natural e os estilos eram elegantes. Homens vestiam camisas de babados, calção apertado e perucas empoadas, como visto em retratos de George Washington.

Em meados da década de 1800, as saias tornaram-se muito cheias, com aros e anáguas de crinolina embaixo. Fotos de mulheres durante a Guerra Civil mostram este estilo. Os homens usavam cartolas. Então veio a agitação na parte de trás do vestido. Poucos anos depois, antes e depois do ano 1900, os estilos apresentavam ombros largos com grandes (às vezes enormes) mangas e cinturas minúsculas. (O espartilho de novo!)

Aliás, em toda esta discussão sobre moda, estamos falando sobre o que é usado por mulheres de bem, que tem historicamente significado mulheres castas, casadas ou não. Por outro lado, as mulheres que ganham o sustento vivendo uma vida abertamente não-casta têm historicamente usado roupas intencionalmente indecentes e sexualmente provocativas.

No início de 1900, os estilos começam aparecer um pouco mais familiares para nós, um pouco mais “modernos”. Bainhas sobem alguns centímetros acima do tornozelo, e as modas são em geral mais simples do que antes.

Você vai notar que um tema se manteve constante na moda feminina durante os seis mil anos de história humana: As mulheres usavam vestidos femininos soltos, fluidos, que atingiam o chão, geralmente com mangas longas e algum tipo de cobertura para a cabeça ou enfeite de cabelo. Mas as modas estavam prestes a mudar radicalmente, e não apenas na quantidade de pano ou no comprimento da saia. Então o que aconteceu?

Tendências de roupas femininas seguiram mais ou menos o mesmo padrão que as tendências na sociedade (e ajudaram a moldar essas tendências.) Cientistas sociais apontam a Revolução Industrial (começada por volta de 1800) – que permitiu que as mulheres trabalharem fora de casa. Então, nos anos 1920, a Emenda 19 à Constituição (2) foi aprovada, dando às mulheres o direito de voto. Os “Loucos Anos Vinte” foram o período em que começamos a ver uma despedida dramática do estilo clássico de se vestir!

Cabelos curtos e silhueta de menino do visual da melindrosa, com saias até os joelhos e corpetes sem manga, surgiram para as mulheres. Mas de onde é que esses estilos e idéias sem precedentes vêm? Certamente não vêm dos últimos mil anos da história humana. Sim, os tempos estavam mudando – mas uma mulher em particular os empurrou para mudar mais rápido.

Gabrielle Bonheur Chanel, que se tornaria famosa sob o nome de Coco Chanel, teve um papel muito importante na mudança da moda feminina. Tem sido dito que ela revolucionou a moda feminina. A propósito, o perfume “Chanel N º 5″ foi nomeado após Coco Chanel.

A vida pessoal Coco Chanel foi trágica, começando com a morte de sua mãe e o abandono pelo pai quando ela tinha 12 anos. Aos 17 anos, ela se mudou para um orfanato dirigido por freiras. Mais tarde, ela pegou seu apelido quando passou por uma curta carreira como cantora, atriz e dançarina de cabaré. Seu caso com um homem rico financiou sua primeira loja de chapéus, localizada em Paris.

Outro namorado, Arthur (“Boy”) Capel, financiou a sua expansão dos chapéus para as roupas. Suas modas iniciais foram roupas femininas feitas de lã de jersey (malha elástica, não tecida) – que tinha sido utilizada apenas para roupa íntima masculina – e ela a usou para fazer vestidos colantes. Aquele estilo sexy colado trouxe o início de seu sucesso. Coco também faria roupas para si mesma com casacos esportivos masculinos e gravatas.

Durante a I Guerra Mundial (1914-1918), a ocupação alemã do norte da França significava que o negócio da moda em Paris foi cortado por alguns anos. Mas, logo após a Grande Guerra, Chanel estava de volta aos negócios. Pela década de 1920, a casa de moda de Chanel havia se expandido consideravelmente, e seu vestido curto, em linha reta definiu uma tendência da moda com o seu visual “garoto“.

Uma noite, Coco acidentalmente queimou o cabelo com um ferro de modelar cachos antes de ir à Ópera de Paris. Ela cortou o cabelo muito curto e foi para a ópera de qualquer maneira. Seu estilo de cabelo curto, conhecido como cabelo “À la garçonne” (3), se tornou uma tendência.

Naquela mesma época, os designers Yves Saint-Laurent e Courrèges introduziram os terninhos para as mulheres. No entanto, quase todas as mulheres rejeitaram a idéia de usar calças e os designers não tentaram de novo até muito mais tarde.

Como mencionado, Coco Chanel foi muito influente no cenário da moda. Além do corte de cabelo e do estilo de vestir unissex, ela apresentou o “pretinho básico”, o uso de malhas colantes, calças (em seu próprio guarda-roupa) e trajes de banho para as mulheres. Espere aí … trajes de banho? Isso mesmo.

Os antigos gregos e romanos praticavam o “banho” (natação) em casas de banho. Esses lugares se tornaram centros de lazer onde os homens também se encontravam, discutiam eventos atuais, etc. Banho para homens e mulheres eram separados e banhos mistos foram condenados pelos imperadores Adriano e Marco Aurélio, e no Império Romano do Oriente por Justiniano I. Alguns podem dizer que era diferente na Roma Antiga já que as pessoas nadavam nuas – mas você já foi à praia ultimamente? O que eu vi algumas mulheres usando não está assim tão longe da nudez!

Casas de banho separadas para homens e mulheres continuaram de uma forma ou outra através dos séculos. Por volta de 1400, a natação mista ocorreu em alguns estabelecimentos, e esses lugares eram conhecidos por sua promiscuidade. Casas de banho mistas foram consideradas focos de vício, e só as mulheres com a moral frouxa nadavam em lugares mistos. Na verdade, a palavra “cozido” (4) originalmente significava casa de banho, mas veio a ser um outro nome para bordel.

Ao longo dos séculos, casas de banho respeitáveis continuaram a ser separadas. Antes de meados do século XVIII, a natação mista foi condenada por católicos, protestantes, judeus e muçulmanos como uma ocasião para o vício. A partir da segunda metade dos anos 1800, as mulheres que iam tomar banho – geralmente ao ar livre – usavam uma roupa de banho elaborada que incluía mangas, uma saia e pantalonas soltas até abaixo do joelho. O tecido utilizado era basicamente o mesmo tecido pesado utilizado em outras peças de vestuário – de modo que hoje dificilmente sequer consideraríamos tal roupa um maiô “real”.

Mas Coco Chanel introduziu um maiô feito de jersey, leve e colante, que ainda tinha mangas compridas, estendido além dos joelhos, e coberto por uma saia longa. Isso soa como uma abundância de cobertura para nós agora, mas naquela época a ação causou uma grande agitação … e uma parte equitativa do escândalo.

Em 1931, o magnata do cinema Samuel Goldwin contratou Chanel como supervisora de moda para as estrelas. No entanto, as divas do momento, aparentemente, não gostavam das roupas sem glamour de Chanel. Além disso, os cinéfilos queriam escapar da depressão assistindo a filmes que contavam com estrelas vestindo roupas bonitas. Devido ao seu caso com um oficial alemão, Chanel caiu em desgraça. Ela passou quinze anos em exílio na Suíça.

Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), as mulheres os EUA trabalhavam nas fábricas, onde elas usaram calças e macacões. Mas fora do local de trabalho, as mulheres mantiveram o seu estilo feminino de se vestir.

Em 1946, uma bomba foi lançada no mundo da moda. Foi chamada de biquíni. Eu sempre tinha me perguntado de onde o nome “biquíni” tinha vindo, e surpreendentemente, descobri através de um artigo escrito em 1997 por Steve Rushin na Sports Illustrated.

Rushin relata que Louis Reard, um engenheiro automotivo francês, que estava gerenciando um negócio de lingerie de sua mãe, nomeou seu novo duas peças, traje de banho “tamanho-átomo” após o local de teste da bomba atômica no Oceano Pacífico: Atol de Bikini. Uma vez que o biquíni era tão minúsculo, nenhuma das modelos em Paris queriam usá-lo nas passarelas da moda. Assim, de acordo com Rushin, Reard contratou Micheline Bernardini, cujo trabalho era o de dançar nua no Casino de Paris. Ela “não teve escrúpulos” em desfilar pela passarela nesse traje.

Rushin continua:

O mundo tomou conhecimento. Nos países católicos – Espanha, Portugal e Itália – o biquíni foi proibido. Ligas da decência pressionaram Hollywood para mantê-lo fora do cinema. Um escritor disse que é um “maiô de duas peças que revela tudo sobre uma menina com exceção do nome de solteira de sua mãe.”

De início, o biquíni foi rejeitado nos EUA pelos “americanos pudicos”, e uma edição de 1954 da revista Vogue caracterizou um maiô com jaqueta como “ainda uma outra maneira de parecer vestida, não despida.” Tão recentemente quanto em 1957, a revista Modern Girl torceu o nariz, “É desnecessário desperdiçar palavras sobre o chamado biquíni, pois é inconcebível que qualquer garota com tato e decência use uma coisa dessas.”

Outro “marco” do biquíni nos EUA seria a canção “Itsy Bitsy Teenie Weenie Yellow Polka Dot Bikini” [“Biquíni de Bolinha Amarelinha”], que saiu em 1960, e o filme Beach Party, estrelado por Annette Funicello e Frankie Avalon (1963). Este filme, que foi seguido por várias seqüencias, caracterizou jovens mulheres dançando de biquíni na tela. Curiosamente, Annette Funicello se recusou a usar um biquíni em qualquer de seus filmes, embora, ocasionalmente, usasse um maiô de duas peças. Sua colega atriz, Donna Loren, também se recusou, dizendo: “Eu não acredito em ir lá em cima, usando biquíni e remexer.”

(… Vários parágrafos omitidos …)

As agências de publicidade rapidamente prepararam pesquisa de marketing para descobrir a reação dos homens a uma mulher vestindo calças. Você sabe o que eles descobriram? Usando tecnologia recém-desenvolvida, eles rastrearam o caminho que os olhos de um homem tomam quando se olha para uma mulher usando calça. Eles descobriram que quando um homem olha para uma mulher de calça na parte de trás, ele olha diretamente para o seu traseiro. Quando ele olha para uma mulher de frente vestindo calça, os anunciantes descobriram que seus olhos caíam diretamente na área mais privada e íntima de uma mulher. Não no seu rosto! Não no seu peito!

Anunciantes descobriram há muito tempo como aplicar a psicologia Gestalt e a Lei de Fechamento e a Lei da Boa Continuidade quando planejam publicidade voltada para os homens. O que tudo isso significa? Isso significa que o olho vai seguir uma linha, e o visualizador irá completar o quadro com a sua imaginação. Pense no homenzinho logotipo AOL. A figura da vara, certo? Mas todos nós sabemos o que ele está fazendo.

Anunciantes sabem que o mesmo se aplica quando um homem vê uma mulher vestindo calças ou uma saia com fendas. Os olhos dos homens irão seguir as linhas até as pernas dela e terminar a imagem em sua imaginação. Os olhos das mulheres podem fazer a mesma coisa, mas como as mulheres não têm o mesmo tipo de tentações, suas imaginações não completam o quadro da mesma forma como os homens fazem.

Tenho recebido cartas e e-mails de homens que tinham lido a primeira edição do livro e queriam que eu dissesse às mulheres que não precisam do estudo de marketing para dizer-lhes o que eles já sabiam: Quando uma mulher está vestindo calça, os olhos de um homem vão (muito para o seu embaraço) cair na virilha da mulher. Esses homens também apontaram que é algo que acontece sem a sua vontade de fazê-lo, ou sem perceber. É a natureza dos homens “olhar” … e eles fazem! A propósito, você vai perceber que, nos anúncios, as modelos de calça sentam-se com as pernas afastadas. Isso não está sendo feito por acaso.

(O texto acima é parte do Capítulo 3 do livro Dressing With Dignity, de Colleen Hammond.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário